DAQUI, o Jornal do Distrito Federal

sábado, 23 de julho de 2016

Compra e Venda de Precatórios não é coisa para amador

Você tem dinheiro a receber de ações na justiça contra um ente público?

Quando um cidadão ou uma empresa ganha um processo judicial contra um ente público (União, Estado, Município, etc) e tem direito a indenização, o pagamento do valor devido é feito por meio dos chamados Precatórios. Porém, ocorre que o Estado quase nunca honra com o pagamento dos precatórios nos prazos corretos, o que criou paralelamente um mercado de compra e venda de precatórios, com certo valor de deságio. 
Permitido por lei, os precatórios são utilizados como pagamento de tributos, para oferecimento de garantias judiciais, entre outras. Beneficia tanto quem vende como quem compra os precatórios. 
Mas, aí você pensa: ¨É justo eu vender meu precatório com deságio?¨ Dependendo do caso é melhor receber um valor que seja justo à vista do que esperar por tempo indeterminado e, na grande maioria dos casos, não receber a tempo de desfrutar dos privilégios que esse dinheiro pode lhe proporcionar. 
Vivemos um momento de incertezas, tanto políticas como econômicas. Presenciamos inúmeras situações de atraso no pagamento de precatórios, ou mesmo algum tipo de manobra política no sentido de adiar o pagamento, gerando um transtorno muito grande para quem está esperando esse dinheiro que é dele de direito.
¨Para aqueles que não podem esperar em razão da demora no pagamento e têm planos e/ou prioridades, vender seu precatório é uma excelente opção, desde que seja intermediada por uma empresa que tenha conhecimento suficiente para interpretar as exigências da lei e garantir que a venda seja o melhor negócio para ambos os lados¨, diz a empresária Ludmila Matsushita, da Franquia de Precatórios de Brasília. Com quase 20 anos no mercado de compra de precatórios federais, contamos com uma equipe de profissionais com alto nível de conhecimento jurídico, financeiro e econômico para auxiliar o cliente a negociar seu precatório com segurança, evitando prejuízos ou futuros problemas jurídicos que podem advir de uma negociação mal feita.