DAQUI, o Jornal do Distrito Federal

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

DESABAFO DE UM POLICIAL MILITAR ANÔNIMO!

DESABAFO DE UM POLICIAL MILITAR ANÔNIMO!
Senhor deputado, sou Policia Militar do Distrito Federal à 20 anos e vim pedir de fato “Socorro” em prol da sociedade Brasileira, em prol da comunidade de DF.
Sei que sou uma voz solitária, mas o que passo a esclarecer a vossa Excelência, é com certeza o anseio de muitos brasileiros. Como senhor Deputado as policias do Brasil podem defender o nosso povo, com a atual legislação? Simplesmente vivemos na sociedade do “ Faz de conta!”. A grande maioria de crimes graves que assolam a nossa sociedade são praticadas por crianças ou adolescentes e isso acarreta em impunidade. Os puritanos de plantão, defendem o estatuto da criança e do adolescente à ferro e fogo., ocorre que como esta, simplesmente, submete a todos nos ao crivo da impunidade,e do descrédito de nossas instituições.
   Cito como exemplo a cidade satélite de São Sebastião onde trabalho. Quase todos os dias, um comerciante é assaltado na região e seus algozes são em quase sua totalidade adolescentes reincidentes, jovens que cometem reiteradas vezes assaltos a mão armadas, agressões, homicídio, estupro. O fenômeno é simples: a policia Militar aprende, a policia civil autua quando o fato é grave a vara da infância com base na lei, “aplica pena sócia educativa” (sem efeito) e em 2 ou 3 dias no máximo o adolescente esta solto novamente praticando  o crime de assalto a mão armada, traficando, etc ...
   É fato que a policia esta enxugando gelo, ou seja, a sociedade esta desprotegida, veja o senhor, que o adolescente não comete crime e por isto, é posto em liberdade, independentemente de seu grau de perigo ou numero de reincidência.
   Em meados de abril de 2011, alguns adolescentes infratores foram apreendidos em São Sebastião, após terem pego uma van escolar cheia de crianças no Lago Sul por assalto. Em junho um trabalhador foi pego por este mesmo grupo e assassinado na QI 19 do Lago Sul e jogado do seu automóvel em movimento por este mesmo grupo que havia cometido “ato infracional” em abril. O estatuto não conseguiu recuperar os infratores e uma família perdeu se mandatário. Será que isto é justo com a sociedade Brasileira? O trágico é que fatos como este, acontecem sempre.
  O Estatuto diz, muito bonitinho como as coisas deveriam ser, ou seja, o estado Brasileiro deveria recuperar o adolescente em conflito com a lei. Sabemos que isto não ocorre, então vivemos no País do “faz de Conta” e enquanto isto, somos reféns de nossa pretensa democracia
   Não vejo falta de cidadania, ou desrespeito aos direitos humanos se tratarmos o adolescente reincidentes a atos infracionais com mais energia. Um adolescente notadamente perigoso, se for olhado nua e cruamente a lei, não pode ser algemado, não pode ter um arranhão se quer. Então, o Policial tem que arriscar a própria vida por conta da legislação em vigor?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário