DAQUI, o Jornal do Distrito Federal

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Edição de Julho de 2017



Olá, amados leitores!Nesta edição, quero poder compartilhar um reflexão, a relação entre o indivíduo e a comunidade e ao mesmo tempo, meditar em um conceito moral, uma filosofia e um modo de viver que se opõe ao individualismo tão comum em nossa sociedade.
Ubuntu
Um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo Ubuntu e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Como tinha muito tempo ainda até o embarque, ele propôs, então, uma brincadeira para as crianças que achou ser inofensiva. Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, colocou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse “já!”, elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.   As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse “Já!” instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.   O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam:   –Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?   Ele ficou pasmo. Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo?   Ubuntu significa: “Eu sou porque nós somos” ou, em outras palavras “Eu só existo porque nós existimos”.   “Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?” A resposta singela da criança, é profunda e vital pois está carregada de valores como respeito, cortesia, solidariedade, compaixão, generosidade, confiança – enfim, tudo aquilo que nos torna humanos e garante uma convivência harmoniosa em sociedade.
Espero que essa filosofia africana faça toda diferença em sua vida e que coloquemos em prática esses ensinamento para vivermos em um mundo melhor.
Não  esqueçam de prestigiar o nosso comércio local. Em nossas páginas, encontram-se as melhores lojas, com preços exclusivos e promocionais para os leitores do Jornal Daqui DF!
Boa leitura e até a próxima edição, se Deus quiser e permitir

Poliana Costa
Administradora e jornalista

LEIA EM PDF PELO SITE www.jornaldaquidf.com.br 















Nenhum comentário:

Postar um comentário