DAQUI, o Jornal do Distrito Federal

sábado, 30 de junho de 2012

11 mil serão desligados de programas sociais por falta de cadastro, diz GDF



Mais de 8 mil atenderam convocação nominal e terão perfil avaliado. 
Reformulado, programa não terá mais postos de distribuição.

Fonte: G1 DF

Secretários de Desenvolvimento Social e de Agricultura do GDF durante entrevista coletiva, na tarde desta sexta-feira (29), no Palácio do Buriti (Foto: Káthia Mello/G1)Secretários de Desenvolvimento Social e de
Agricultura do GDF durante entrevista coletiva, na
tarde  desta sexta-feira (29), no Palácio do Buriti
(Foto: Káthia Mello/G1)
A Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (Sedest) anunciou nesta sexta-feira (29) que 11 mil, das 36 mil famílias inscritas no Programa Nosso Pão, Nosso Leite, não atenderam à última etapa do cadastramento no prazo determinado. Por isso, esse beneficiários serão desligados de todos os programas sociais do GDF.
Outras 8 mil famílias fizeram o cadastramento durante uma segunda chamada e serão avaliadas para saber se estão dentro do perfil do programa, que busca atender famílias com renda per capita de até R$ 140 por mês.
A segunda chamada ocorreu entre os dias 13 e 17 de junho, quando o governo fez a convocação nominal das 19 mil famílias que não haviam comparecido aos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) e que também não agendaram o cadastramento pelo telefone 156.
Como fica
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social, Daniel Seidl, esta sexta-feira foi o último dia de funcionamento dos postos de distribuição do Programa Nosso Pão, Nosso Leite. Segundo ele, a partir de agora, a Secretaria de Agricultura vai coordenar o programa que atenderá 108 instituições, entre creches, abrigos e centros de atendimento a usuários de drogas
.Essas instituições vão receber leite e derivados, que serão adquiridos diretamente da agricultura familiar do DF.
O secretário de Agricultura, Lúcio Valadão, disse que o orçamento anual do Programa Nosso Pão, Nosso Leite era de R$ 29 milhões. Nesta nova etapa, até o final do ano, o GDF vai gastar R$ 4 milhões com a compra dos produtos diretamente dos agricultores familiares.
“Os programas anteriores eram muito onerosos. Metade era para manter a estrutura de funcionamento dos postos de distribuição. Era uma situação que afetava a dignidade das pessoas", disse Seidl.
O programa Nosso Pão, Nosso Leite empregava 314 funcionários nos postos de distribuição que foram desativados. O GDF informou que 47% deles afirmaram querer participar de cursos de qualificação profissional da Secretaria de Trabalho.
De acordo com a Sedest, com a reformulação, o GDF vai economizar R$ 1,3 milhão ao mês – valor que estava sendo gasto com as famílias beneficiadas irregularmente pelo Nosso Pão, Nosso Leite.
A Sedest informou que, a partir de julho, será iniciado o recadastramento dos inscritos nos programas Bolsa Escola e Bolsa Social.

Nenhum comentário:

Postar um comentário